Unitec cria subsidiária para antecipar receita

A fabricante de chips Unitec,antiga SIX Semicondutores, criou uma subsidiária para oferecer pacotes de soluções intensivas em semicondutores a seus clientes.

04/11/2015 18:00
​RIO, 4/11/2015 - A fabricante de chips Unitec,antiga SIX Semicondutores, criou uma subsidiária para oferecer pacotes de soluções intensivas em semicondutores a seus clientes. A medida é uma forma de antecipar a geração de receitas do projeto, já que a produção de chips em escala comercial, inicialmente prevista para 2015, foi adiada para o início de 2017. A alteração no cronograma está ligada a atrasos na construção e à mudança do principal sócio privado da empresa. No início de 2014 a Corporación America, do bilionário argentino Eduardo Eurnekian, assumiu a fatia de Eike Batista no negócio, abandonado pelo empresário em meio à crise financeira de seu conglomerado.

A fábrica da Unitec está sendo construída em Ribeirão das Neves, na região metropolitana de Belo Horizonte (MG), e vai atuar nas três fases da indústria de semicondutores: design, fabricação e encapsulamento. A brasileira produzirá chips para uso em aplicações industriais, dispositivos médicos de alta tecnologia, agricultura de precisão, cartões e etiquetas inteligentes. A estratégia é criar circuitos integrados sob medida, operando em nichos e obtendo margens maiores do que na produção em massa de semicondutores.

A Unitec tem um time de 40 designers desenvolvendo chips e quer antecipar a realização de negócios, com produção terceirizada. A ideia é que a subsidiária Unitec Soluções lidere a articulação com parceiros para amarrar a criação de pacotes completos para os clientes. Um exemplo é a parceria com a Fiocruz para o desenvolvimento de chips para diagnóstico remoto, como testes em gestantes atendidas no SUS. A Unitec pode fazer a ponte com fornecedores de outros itens, como a leitora dos testes. O mesmo vale para futuros projetos de substituição de lâmpadas comuns por lâmpadas de LED, que tem licitações em curso em algumas prefeituras.

"Queremos começar a gerar receita com o desenvolvimento de produtos e encapsulamento antes da fábrica estar pronta. Vamos integrar (as etapas) e entregar", diz o presidente da Unitec, Frederico Blumenschein, idealizador da fábrica de semicondutores ao lado do ex-presidente da Wolkswagen do Brasil, Wolfgang Sauer, morto em abril de 2013.

Além da Corporación America, detentora de 33,02% da Unitec, são sócios da empresa o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) (33.02%), a IBM (18,8%), o Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) (6,56%), a Matec Investimentos (6%) e a Tecnologia Infinita WS-Intec (2,6%), empresa de Blumenschein e Sauer.

Segundo Blumenschein, 90% do investimento de R$ 1,2 bilhão na construção da fábrica da Unitec já foram realizados. Além de sócio, o BNDES vai financiar um total de R$ 266 milhões. A expectativa é que a obra seja concluída abaixo do orçamento, graças à compra da fabricante francesa de chips LFoundry em 2014, por US$ 34 milhões. O negócio garantiu dois terços dos equipamentos para a Unitec. A maior parte já está em Minas e será instalada na sala limpa (ambiente controlado onde são produzidos os chips) da fábrica a partir de dezembro.

No segundo semestre do ano que vem serão iniciadas a qualificação e os testes para produção comercial dos chips, prevista para o início de 2017. Antes, em abril de 2016, a empresa inicia as atividades da linha de encapsulamento adquirida da Unitec Blue, fábrica de chips da Corporación America na Argentina. Quando estiver em operação plena a Unitec produzirá 360 wafers (placas que são a base para a criação de chips) por dia ou 130 mil por ano, tendo como foco o mercado doméstico. A fábrica promete gerar 400 empregos.

A importação de semicondutores gera um déficit comercial de US$ 10 bilhões por ano ao País. A produção local é um objetivo do governo do PT desde o lançamento da política industrial, em 2012. Para viabilizar essa indústria foram lançados incentivos como o Programa de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Semicondutores (Padis), que zera as alíquotas do PIS/PASEP e da Cofins, incidentes sobre a receita bruta da venda doméstica de circuitos integrados e wafers, bem como o IPI na importação de máquinas, equipamentos e software.

No início do projeto, em 2012, a Unitec calculava atingir um faturamento anual de cerca de US$ 600 milhões nesse mercado. Com a criação do braço de soluções esse valor tende a ser superado, mas Blumenschein prefere não dar uma previsão. Para aproveitar todo o seu potencial de desenvolvimento de produtos, a empresa vai terceirizar a produção quando não detiver tecnologia para fabricação. A estimativa é ter metade dos produtos feita no exterior, em destinos como Taiwan. (Mariana Durão - mariana.durao@estadao.com)